RELOOKING

[MODA][grids]

DIVAN

[DIVAN][bsummary]

MYSTIQUE

[MYSTIQUE][bleft]

BEAUTÉ

[MAKE UP][twocolumns]

Déjà Vu

ALEXANDRA LORAS. GUARDE ESTE NOME!

Revolução francesa: um papo com Alexandra Baldeh Loras:

Com a amiga Paola de Orleans e Bragança ao fundo, Alexandra Loras (no centro) posa no sofá cercada pelas jornalistas Karine Amancio e Joyce Ribeiro (à sua esquerda), pela atriz Dani Ornellas e a modelo Samira Carvalho (Foto: Tinko Czetwertynski).

"O racismo me paralisa, mas nunca vou para o embate. Minha forma de combatê-lo é diante de uma plateia, debatendo o assunto”, afirma ela, que convidou a amiga Paola de Orleans e Bragança para participar das fotos que ilustram esta reportagem. A trineta da princesa Isabel, responsável pela assinatura da Lei Áurea em 1888, posou como uma governanta, ideia de Alexandra. “Não se trata de racismo invertido ou revanchismo. Quis propor uma reflexão para mostrar que precisamos evoluir. Paola foi muito corajosa.”

Em uma dessas minhas "noitadas" de insônia, trocando de canais vejo o nosso "colunista de plantão" Amaury Junior em uma festa entrevistando a Alexandra, eis que me chama a atenção a mulher tão carismática diante do vídeo.
E, mais feliz ainda fiquei, quando além de carismática, linda, bem casada e de bem com a vida, encontro uma mulher autêntica e guerreira que luta por causas humanitárias, focada no preconceito que sua cor ainda exerce, principalmente dentro do nosso país.

 “Como disse Tom Jobim, o Brasil não é para amadores. Demorei a entender suas contradições, mas entrei em total sintonia com o País”, diz a consulesa, em português fluente, que aprendeu com uma professora e assistindo às novelas da Globo.

Desde que desembarcou na cidade de São Paulo, em outubro de 2012, Alexandra, 39 anos, nunca se contentou com o papel secundário de mulher de diplomata. E logo chamou a atenção com sua personalidade exuberante nos eventos sociais na casa que vive com o marido e o filho de 4 anos. Recebeu artistas, empresários, ex-presidentes da República e festeiros em geral (em média 6.000 convidados por ano).
Deu palestras voltadas para o empoderamento da mulher negra e trabalhou com refugiados haitianos no bairro da Liberdade. Incansável, ativa e multifacetada, sua história pessoal não permitiria uma postura diferente.

Resultado de imagem para alexandra loras

Se quiser, assim como eu, saber um pouco mais sobre esta mulher tão admirável:

Nenhum comentário: